Presidente do Sinmed-MG fala sobre a situação caótica da saúde pública em Minas Gerais e o movimento reivindicatório dos médicos

O presidente do Sindicato dos Médicos de Minas Gerais, Fernando Luiz de Mendonça, concede entrevista  ao vivo, na tarde desta quarta-feira, dia 6 de novembro no Plantão da Cidade - Rádio Itatiaia para falar da situação caótica da saúde pública de Minas Gerais, tanto para os servidores quanto para os usuários.

Fernando Mendonça  destaca que o governo Pimentel não priorizou a saúde, os gastos com a população e isso ocasionou a situação caótica no estado. Segundo ele, faltam recursos nessa área e a rede de saúde do estado, com destaque para os hospitais da FHEMIG, está sucateada, sem infraestrutura adequada, sem medicamentos.

Somado a isto, os salários dos servidores estão parcelados desde 2016 e nos ultimos meses atrasados. Os profissionais também não têm perspectiva nenhuma sobre o recebimento do 13o deste ano.

"Minas Gerais está ficando para trás. Pesquisa do CFM mostra que nosso estado tem 434 mil pessoas à espera na fila de cirurgias eletivas", afirma Mendonça. E reforça: é inadmissível que quase ao final do mandato do governo não haja nenhum planejamento ou investimento real em relação à população e à saúde".

O Sinmed-MG entregou à produção da Itatiaia  um documento com imagens e relatos da situação dramática de alguns dos principais hospitais do estado como HPS João XXIII, HIJP II, MOV, dentre outros.

Em relação ao  movimento reivindicatório dos médicos, o presidente do Sinmed-MG destaca que, em assembleia no dia 4 de dezembro, a categoria decidiu que se o governo não se posicionar em relação a grave situação da saúde e o descaso com os servidores com o não pagamento do 13o salário, haverá greve na saúde a aprtir do dia 21.

Ouça aqui a entrevista completa:

 

Sinmed-MG, 6 de dezembro 2017

Rosângela Costa- jornalista sênior- MTB 11320/MG- informações da Rádio Itatiaia