Em MG, hospitais filantrópicos sofrem com dívidas e falta de verbas

 

Mesmo que a origem das Santas Casas de Misericórdia esteja na colonização brasileira, quando, para cada cidade fundada, erguiam-se um centro administrativo, uma igreja e um hospital, a situação enfrentada por elas e outros hospitais filantrópicos de Minas não faz jus à tradição e ao papel que essas unidades assumiram no sistema de saúde do Estado.

Segundo dados da Federação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos de Minas Gerais (Federassantas), a dívida somada das 350 entidades mineiras já ultrapassa R$ 2,5 bilhões. Juntas, elas concentram 57,14% dos leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) de Minas, conforme a Secretaria de Estado de Saúde (SES). Ainda que não seja possível mensurar o total de pessoas atendidas pelos hospitais filantrópicos - que são privados e sem fins lucrativos - em território mineiro, as contas "no vermelho" acendem um alerta, pois os serviços oferecidos estão ameaçados.

Com cerca de R$ 220 milhões em dívidas tributárias, a Santa Casa de Belo Horizonte, que tem 80% de suas internações e 100% dos seus atendimentos feitos pelo SUS, teve bens e um prédio penhorados pela Justiça. "Não é mistério que, durante mais de 30 anos, os valores pagos pelo SUS não foram suficientes", afirma o superintendente de planejamento, finanças e recursos humanos da Santa Casa, Gonçalo de Abreu Barbosa, ao explicar o principal motivo do saldo negativo. Por ano, cerca de 3 milhões de pacientes passam pela unidade, provenientes de todas as regiões de Minas e até de outros Estados.

Para a promotora de vendas Maria Madalena dos Santos, 31, cujo pai fez um cateterismo na Santa Casa da capital, mesmo com deficiências, a estrutura desses hospitais é indispensável. "Meu pai passou mal, foi para uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) e, depois, veio para cá (Santa Casa). Ainda há problemas no hospital, mas não posso reclamar dos médicos, e tudo foi feito pelo SUS", diz a moradora de Vespasiano, na região metropolitana.

Pelos serviços prestados ao SUS, os filantrópicos são remunerados por meio de uma tabela que discrimina o preço de cada procedimento médico. Segundo o presidente da Federassantas, Saulo Levindo Coelho, desde 1996 não há atualização completa desses valores. Com isso, a maioria dos hospitais passou a arrecadar menos do que gastava e, assim, vieram os empréstimos bancários e as dívidas com fornecedores e funcionários. "Para cada R$ 100 que gastamos, o governo nos paga R$ 64".