Nota de repúdio ao prefeito Márcio Lacerda. Médico não pode tirar férias?

O Sindicato dos Médicos de Minas Gerais manifesta seu repúdio à atitude do prefeito Márcio Lacerda relatada em matéria publicada no jornal “Estado de Minas”, dia 11 de julho.

Mais uma vez o prefeito se exime da responsabilidade de gestor para justificar as grandes falhas da saúde pública em Belo Horizonte. Sabendo da falta de profissionais nos postos de saúde, uma triste realidade várias vezes denunciada pelo sindicato, o Sr. prefeito prefere culpar e punir a gerente da unidade pelo fato de ter apenas um médico atendendo e o outro estar de férias. Médico não pode tirar férias, Sr. prefeito? Não é mais lógico completar as equipes ou substituir os profissionais que estão em gozo de um direito do trabalhador?

Márcio Lacerda teve um mandato inteiro para “conhecer de perto” os problemas das unidades de saúde e, coincidentemente, a visita é feita em período eleitoral, configurando uma ação política e abuso de poder.

Ao mesmo tempo que se exime das responsabilidade, o Sr. prefeito tem o hábito de atribuir a si louros que não lhe pertencem como aconteceu recentemente com a nomeação dos médicos concursados. A nomeação foi fruto única e exclusivamente da grande pressão que o Sinmed-MG e categoria exerceram em campanha que se estende desde o início do ano, o que resultou numa intimação do Ministério Público.

Problemas não se resolvem na base de ameaças e perseguições, mas com ações concretas e vontade política de melhorar as coisas.

Lacerda constatou nas dependências do posto que apenas uma médica atendia no local. “Eu, como executivo, tenho dificuldade de entender como você, com apenas duas médicas, bota uma de férias”, disse se dirigindo à gerente da unidade, Andrea Helena Morais, que explicava que a equipe estava desfalcada. À noite, a assessoria da PBH informou que Andrea Morais foi exonerada.

Clique aqui e leia a matéria na íntegra do “Estado de Minas” desta quarta-feira (11).