Ministério lança ação de combate à tuberculose

O Ministério da Saúde (MS) deu início ontem (13) à Campanha de Combate à Tuberculose. A ação incentivará o diagnóstico precoce e o tratamento adequado, garantindo seu tratamento até a cura. A campanha educativa está em sintonia com o Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT), do ministério, que promove a contenção da doença no Brasil. Dentre os objetivos estão reduzir o abandono do tratamento para menos de 5%, detectar 70% dos casos estimados, curar 85% dos casos notificados, expandir a cobertura do tratamento supervisionado para os municípios prioritários, oferecer teste anti-HIV para 100% dos adultos com a tuberculose. 

Para a campanha, que será veiculada até 26 de julho, o Ministério da Saúde produziu 300 mil cartazes e dois milhões de folders, além de divulgação em rádio e televisão em todo o país.

Toda a população brasileira tem direito ao diagnóstico e tratamento gratuitos no Sistema Único de Saúde (SUS). No Brasil, estimativas apontam que mais de 60 milhões de pessoas estejam infectadas pelo bacilo da tuberculose. Em 2005, foram registrados 80.603 casos novos da enfermidade que registra, em média, cinco mil óbitos por ano.

No Brasil e em outros 21 países em desenvolvimento, a tuberculose é um grande problema de saúde pública. Nesses países, encontram-se 80% dos casos mundiais da doença. Todos os anos são registrados mundialmente cerca de oito milhões de novos casos, com quase dois milhões de óbitos.

Cerca de um terço da população mundial está infectada com o Mycobacterium tuberculosis, com o risco de desenvolver a enfermidade. A tuberculose é uma doença associada às más condições de vida da população ou a outras condições de imunodeficiência, como é o caso da aids, com muitos casos identificados entre os mais pobres e os que estão à margem da sociedade como moradores de favelas, população de rua e carcerária.

Persistência 

O grande desafio de se combater a doença é levar o tratamento adiante. Ele é eficaz e não é difícil, mas exige um grau de persistência que muitos não têm o que justifica o abandono, uma das principais causas do fracasso no controle da tuberculose. Caso o tratamento seja abandonado antes do prazo, o bacilo desenvolve resistência à medicação e cria-se uma super bactéria.

É importante destacar que, ao iniciar o tratamento, em aproximadamente um mês, alguns pacientes já se sentem melhor e não sofrem mais com os sintomas da doença. A maioria dos casos de contágio ocorre em pacientes do sexo masculino e em idade produtiva, prejudicando ainda mais as condições de vida das famílias carentes, grandes vítimas da tuberculose.

Fonte: Ministério da Saúde - 14/07/2008