Documentário sobre problemas sociais marca participação da FENAM no FSM/2009

 

A exibição de um documentário que mostra as condições sociais de cidades do interior de Pernambuco, enfatizando o problema do abuso sexual de menores, foi um dos destaques da participação da FENAM no Fórum Social Mundial, evento que reuniu, em Belém, de 27 de janeiro a 1º de fevereiro, 100 mil pessoas de diversas partes do mundo, representando mais de quatro mil entidades e que participaram de cerca de três mil atividades, 200 delas simultâneas.   “Nossa atividade foi um sucesso”, conta Waldir Cardoso, diretor de Comunicação da FENAM. “Passamos o filme ‘O que não queremos ver’, que foi produzido por dirigentes do Sindicato dos Médicos de Pernambuco e do Conselho Regional de Medicina (Cremepe) sobre as condições sociais no Estado, com ênfase na situação de abuso sexual. O documentário, que teve origem no projeto Caravana Simepe/Cremepe, foi assistido por mais de 70 pessoas e proporcionou um bom debate. Fui o coordenador e tivemos como debatedores o Dr. Ricardo Paiva, do Simepe e conselheiro do Cremepe, e o Padre Ricardo Resende, que morou no Pará durante mais de 20 anos e lutou pelos direitos dos trabalhadores rurais à terra e pelo fim do trabalho escravo”, disse Cardoso.   Com uma delegação de nove dirigentes, integrada por Waldir Cardoso, José Erivalder Guimarães de Oliveira, Cid Carvalhaes e José Roberto Cardoso Murisset, além de Ricardo Paiva, Malu David, Carla Cristine Bezerra, Claudia Beatriz de Andrade e Tilma Belfort, representantes do Sindicato dos Médicos de Pernambuco, o movimento sindical da FENAM teve uma participação muito importante no evento, conforme avaliaram Waldir Cardoso, Malu David e José Roberto Murisset.   “Eu penso que a participação da FENAM no Fórum Social Mundial/2009 foi muito importante para estreitar laços entre o movimento de saúde e o movimento sindical. A entidade se manteve atualizada com as grandes lutas dos movimentos sociais. Essa participação já faz parte da história da FENAM”, assinalou Waldir Cardoso, destacando também que durante o Fórum, a Federação recebeu o convite do sindicalista mexicano Luis Antonio, para a realização, no segundo semestre deste ano, de um seminário sobre os sistemas de seguridade social brasileiro e mexicano, em conjunto com o Sindicato dos Servidores Públicos da Cidade do México. “É um exemplo das articulações possíveis no FSM”, acrescentou Cardoso. Para ele, o sucesso do evento está ligado ainda ao trabalho das sindicalistas do Simepe e pelo esforço do Sindicato dos Médicos do Pará na divulgação da exibição do documentário, panfletando nos dias que a antecederam.   Na avaliação de José Roberto Murisset, “este Fórum Social Mundial foi realmente diversificado e grandioso”. Ele ressaltou a importância da participação da FENAM, através do documentário sobre a violência contra a mulher e os trabalhadores rurais escravos. “Foi espetacular a sessão temática, protagonizada por Ricardo Paiva, com auditório lotado e com enriquecimento da participação do Padre Ricardo Resende, que viveu no Pará de 77 a 96, na região do Araguaia e Rio Maria, no coração dos conflitos fundiários e da escravidão no trabalho. Houve debates, com a participação de várias entidades e do público, inclusive de outros países”, acentuou o diretor da FENAM.   A diretora do Simepe, Malu David, lembrou que o documentário foi escolhido como tema da FENAM no FSM durante o Seminário Médico/Sindical, que a entidade realizou em novembro do ano passado, em São Paulo. “Nós, do Sindicato dos Médicos de Pernambuco, ficamos muito felizes com a escolha desse tema pela FENAM. Foi um bom trabalho, porque retrata a realidade de Pernambuco e que é também a realidade de muitos outros estados do país. Nossa participação no Fórum foi marcada por esse documentário e isso foi muito importante, além dos contatos que fizemos com outras entidades e a troca de experiências que o evento pode nos proporcionar”, analisou Malu.   Fórum Social Mundial da Saúde   O diretor de Comunicação da FENAM, Waldir Cardoso, destacou ainda a realização do Fórum Social Mundial da Saúde, nos dias 25, 26 e 27 de janeiro, antecedendo ao Fórum Social Mundial. "Em três dias e com a participação de mais de duas mil pessoas, o Fórum consolidou uma ampla articulação da saúde, capitaneada pelo Centro Brasileiro de Estudos em Saúde, definindo uma pauta estratégica para a luta pelo avanço do SUS. Nossa delegação se dividiu para participar de vários temas relacionados com a saúde e com o trabalho. Das deliberações do FSMS, ressaltamos a proposta de reconhecimento do Sistema Único de Saúde como Patrimônio Imaterial da Humanidade, a mobilização mundial no dia sete de abril em defesa de sistemas universais de atenção à saúde, e a realização da 1ª Conferência Mundial sobre Sistema Universal de Saúde e Seguridade Social. Participamos dos debates e dos grupos de trabalho”, finalizou o dirigente.   O documento final do Fórum Social Mundial da Saúde pode ser encontrado no site http://www.fsms.org.br/portugues/   Fonte: Portal Fenam – 6/02/2009