Ministério da Saúde debate integração regional

 

O Ministério da Saúde promove nesta terça-feira, dia 12, o 1º Ciclo de Debates da Assessoria Internacional sobre as diretrizes, estratégias, oportunidades e desafios para a integração regional no campo da saúde. Também participam do encontro, os ministérios do Planejamento, Relações Exteriores e Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, além da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Fundação Nacional de Saúde (FUNASA). A abertura do evento será realizada, às 10h, pelos ministros da Saúde, José Gomes Temporão e de Relações Exteriores, Celso Amorim.   O objetivo é apresentar os compromissos estruturais do processo de integração regional e analisar o impacto das ações de saúde que vêm sendo propostas no âmbito da Reunião de Ministros da Saúde do Mercosul e do Subgrupo de Trabalho n º11 nos indicadores de saúde na região.   Em maio de 2008, os Presidentes e representantes dos 12 países da América do Sul assinaram, em Brasília, o tratado de criação da União das Nações Sul-americanas, a Unasul, que reúne os 12 países da América do Sul e visa aprofundar a integração da região por meio de coordenação política, econômica e social. Com a Unasul, espera-se avançar na integração física, energética, de telecomunicações e ainda nas áreas de ciência e de educação, além da adoção de mecanismos financeiros conjuntos.   Outro aspecto da experiência do Mercosul na área da saúde é a importância da Reunião de Ministros da Saúde do Mercosul (RMS), criada em 1995, que propõe ao Conselho de Mercado Comum (CMC) medidas para a coordenação de políticas na área de saúde, definindo planos, programas, estratégias e diretrizes regionais com vistas ao processo de integração. A RMS tem competência institucional para formular, acordar e apoiar ações de promoção, prevenção, proteção e atenção à saúde que são realizadas em cada Estado Parte, com os recursos existentes nos sistemas de saúde nacionais ou através de projetos de cooperação intra ou extra bloco. Essa experiência também pode ser compartilhada com os demais países da região das Américas.   Fonte: Portal Saúde – 12/05/2009