Médicos fazem passeata e coletiva por remuneração adequada no SUS e melhoria da assistência à população

 

Os médicos de São Paulo vão às ruas em 29 de maio para tornar pública uma campanha nacional em defesa do trabalho dos profissionais de medicina no Sistema Único de Saúde (SUS) e pela melhoria e integralidade do atendimento de saúde à população. Logo após uma coletiva à imprensa na sede da Associação Médica Brasileira (rua São Carlos do Pinhal, 324), às 10h, sairão em passeata inicialmente até o prédio da Gazeta na Avenida Paulista.      O protesto faz parte do Fórum Nacional e Sudeste em Defesa do Trabalho Médico no SUS, que está sendo amplamente divulgado por representações como a Associação Paulista de Medicina, Academia de Medicina de São Paulo, Cremesp e Simesp. Inclusive está prevista a participação de caravanas de profissionais da Grande São Paulo e do interior.      Um dos objetivos é chamar a atenção da opinião pública para reivindicações como a criação de um Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos específico para os médicos – nos âmbitos federal, estadual e municipal – de forma que esses profissionais não precisem acumular vários empregos para sobreviver, podendo, assim, dedicar mais tempo ao sistema público, fortalecendo a relação com os pacientes.      Outra importante reivindicação é a aprovação de um salário mínimo do profissional médico por 20 horas semanais, para os contratados da rede pública.      Os médicos defendem ainda a implantação da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) no sistema público de saúde. A CBHPM garantirá à população o acesso ao que há de mais moderno e eficaz em tratamento, diagnóstico e prevenção.      Organizado pelas entidades nacionais, Associação Médica Brasileira, Conselho Federal de Medicina e Federação Nacional dos Médicos, o Fórum também será palco de denúncias sobre as graves consequências do subfinanciamento do SUS; as condições inadequadas de trabalho, a desvalorização dos profissionais; e falta de atendimento à população necessitada.      Dois dias de manifestações - A coletiva e a passeata encerrarão o Fórum Nacional e Sudeste em Defesa do Trabalho Médico no SUS, que começa no dia 28 de maio (veja programação abaixo). Os debates contarão, inclusive, com a participação do ministro da Saúde, o médico sanitarista José Gomes Temporão.         Fonte: Portal Médico – 25/05/2009