PEDIATRAS DAS UPAS e HOB ESTÃO ADOECENDO E DESISTINDO DA PREFEITURA COM O CAOS NO ATENDIMENTO

Reunidos em Assembleia Geral Extraordinária (AGE), dia 29 de abril, médicos pediatras das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Belo Horizonte e Hospital Municipal Odilon Behrens deliberaram pela não paralisação dos atendimentos.

 A decisão foi tomada em respeito à população, que já sofre demais com o caos no atendimento das UPAs devido ao aumento do número de casos de dengue e doenças respiratórias. Por falta de pessoal e estrutura alguns pacientes chegam a esperar mais de 20 horas para atendimento.

 O sindicato alerta, no entanto, que os médicos estão adoecendo e se sentindo acuados diante da situação, provocando uma verdadeira evasão dos profissionais da saúde, cenário que se agrava a cada instante.

 A assembleia deliberou, também, por continuar acionando as autoridades competentes para resolver a questão. Já foram agendadas reuniões com a Defensoria Pública; com o juiz Marcos Flávio Lucas Padula, da Vara Cívil da Infância e Juventude; e com o Ministério Público, com comparecimento do gestor. O sindicato vai acionar ainda o Poder Legislativo em nível municipal e estadual, denunciando a situação e pedindo apoio.

 Médicos presentes à assembleia avaliaram que a situação de caos poderia ser evitada se houvesse planejamento da Prefeitura. Segundo um pediatra, a Prefeitura chamou as UPAs em dezembro para falar que a dengue ia chegar pesado, atingindo principalmente crianças e idosos e que era para ficaremr atentos: “Já naquela ocasião pedimos autorização para a contratação de apoios e pediatras, e nada foi feito, foi uma morte anunciada”.

 Os médicos pediatras alertam que a situação está fora de controle e que as medidas que estão sendo tomadas pela Prefeitura em relação à melhoria do atendimento não têm mostrado efetividade principalmente em relação às crianças.

Os médicos também denunciam a falta de leitos na rede. Somente no último final de semana (27 e 28 de abril) 65 crianças aguardavam a liberação, pela Central de Regulação de Leitos, para internação em hospitais da rede municipal.

 Sinmed-MG, 30 de abril 2019

Regina Perillo