Sinmed-MG alerta para a prevenção contra acidentes domésticos com idosos



A população brasileira mantém a tendência de envelhecimento dos últimos anos e ganhou 4,8 milhões de idosos desde 2012, superando a marca dos 30,2 milhões em 2017(Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Características dos Moradores e Domicílios, divulgada hoje pelo IBGE).

Com esta nova realidade, o índice de acidentes domésticos na terceira idade é um dado relevante e merece alerta. Segundo um levantamento realizado pelo SUS (Sistema Único de Saúde), 75% das lesões sofridas por pessoas com
mais de 60 anos são causadas por acidentes domésticos. De acordo com a Sociedade Brasileira de Ortopedia e traumatologia, 20% das pessoas com mais de 60 anos que sofrem fratura no fêmur morrem após um ano, em decorrência do agravamento de doenças já preexistentes no coração, pulmões e nos rins. Os que se recuperam, cerca de 30% a 40% perdem a independência.

O maior risco de tomar um tombo na terceira idade tem algumas justificativas. Entre elas, o déficit de equilíbrio, a fraqueza muscular e o sedentarismo, todos mais comuns nessa faixa etária. De acordo com o guia em questão, a cada segundo pelo menos um idoso cai em casa ou na rua ao redor do globo.

Para alertar e orientar a população, o Sinmed-MG realiza em agosto a campanha de prevenção de acidentes domésticos com idosos, chamando a atenção para cuidados essenciais e que muitas vezes são ignorados no dia a dia.

Como prevenir quedas na sala e nos corredores

– Não deixe brinquedos e outros objetos pequenos espalhados pelo chão. Fios e extensões elétricas também não devem ficar pelo caminho.

– Luzes com sensor de movimento em locais de pouca luminosidade e barras de apoio podem ser úteis.

– Desloque móveis que barram o acesso entre os ambientes da casa.

– Evite sofás baixos e macios para reduzir a dificuldade ao levantar.

– Nas escadas, mantenha os degraus livres de objetos e invista em corrimãos, fitas antiderrapantes e interruptores de luz.

Na cozinha e na área de serviço

– Não utilize armários muito altos, que necessitam de bancos ou escadas para que certos objetos sejam alcançados.

No banheiro

– Aumente a altura do vaso sanitário com um elevador de assento e instale barras de apoio para facilitar na hora de sentar e levantar.

– Ponha tapetes emborrachados e antiderrapantes no box e instale barras de apoio dentro para auxiliar na movimentação. Utilize uma cadeira resistente e firme dentro do box se tiver dificuldade de se abaixar durante o banho.

– Opte por lâmpadas fluorescentes.

– Compre cortinas, pia e vaso de cores diferentes do piso. O contraste ajuda a evitar tropeções.

No quarto

– Veja se não é o caso de instalar um interruptor de luz ou abajur ao lado da cama. Assim, a pessoa não precisa levantar no escuro.

– Se tiver tapetes no quarto, prenda-os ao chão.

– Evite camas muito baixas e colchões macios demais para diminuir o esforço ao deitar ou levantar.

 

O que fazer em casos de queda?

Busque ajuda com o SAMU (192), o Corpo de Bombeiros (193) ou a Polícia Militar (190), informando o ocorrido e as informações médicas do idoso com detalhes. Enquanto os profissionais não chegam, tente mantê-lo calmo e imóvel – se houver sangramento, é importante cobrir e comprimir o ferimento com um pano limpo.

 

 

Rosângela Costa - jornalista sênior - MTB 11320/MG