Médicos de Uberlândia ameaçam fazer paralisação de 24 horas no dia 30

25/03/2009

Mônica Salomão

Médicos das administrações direta e indireta, lotados na rede pública de saúde de Uberlândia, realizaram, no dia 18 de março, a terceira assembléia da campanha 2009 por melhores condições de trabalho e remuneração. Ainda sem resposta sobre as reivindicações, os profissionais estabeleceram prazo até o dia 25 para que os gestores se manifestem e já adiantaram que se a proposta não for satisfatória vão realizar paralisação de 24 horas na segunda-feira, 30 de março.

“Vamos realizar nova assembléia na quarta-feira para avaliar a posição da Prefeitura e esperamos chegar a um entendimento para que não seja necessário manter a proposta de paralisação”, esclarece Cristiano da Matta Machado, presidente do Sindicato dos Médicos de Minas Gerais.

O principal pleito da categoria é a realização de concurso, argumentado pelo secretário municipal de saúde, Gladstone Rodrigues da Cunha, durante reunião com o sindicato como “algo impossível de acontecer neste momento porque o Município está no limite da Lei de Responsabilidade Fiscal”. Em contrapartida, ele sugeriu a celebração de um acordo coletivo de trabalho a fim de promover a uniformidade salarial e de condições adequadas para o exercício da profissão aos médicos efetivos e aos contratados pela Fundação Maçônica Manoel dos Santos e Missão Sal da Terra.

A proposta foi aceita, mediante o comprometimento de realização de concurso nos próximos meses. No documento, a categoria reivindica, para efetivos e contratados, a definição da data-base; reajuste do salário mínimo profissional para R$ 8.239,24 - valor defendido pela Federação Nacional dos Médicos (Fenam); pagamento do adicional de insalubridade; criação do plano de cargos, carreira e vencimentos; e reuniões bimestrais entre gestor e sindicato para acompanhamento do acordo.

Caso a paralisação ocorra, não haverá atendimento médico nas Unidades Básicas de Saúde e no Programa Saúde da Família. Nas Unidades de Atendimento Integrado, os pacientes serão avaliados na entrada por uma equipe de especialistas e somente os casos de urgência e emergência serão atendidos. 

A assembléia que vai decidir pela permanência ou suspensão do protesto será realizada no dia 25, quarta-feira, às 19 horas, no Anfiteatro da Sociedade Médica, à Av. Cesário Alvim, nº2 – Centro.
 

Fonte: Assessoria de Comunicação Sinmed-MG - 23/03/2009