Médicos da rede pública de Uberlândia fazem paralisação de 24 horas na próxima segunda-feira, dia 30

30/03/2009

 Mônica Salomão

Médicos das administrações direta e indireta, lotados na rede pública de saúde de Uberlândia, deliberaram, em assembléia realizada na última quarta-feira (25), por uma paralisação de advertência de 24 horas na próxima segunda-feira, dia 30. A decisão foi tomada diante da falta de resposta da Secretaria Municipal de Saúde às reivindicações da categoria.

“Entendemos que o gestor teve tempo suficiente para analisar os pleitos da classe médica e esperávamos pelo menos uma contraproposta, o que não aconteceu. Diante disso, os médicos decidiram manter o dia de protesto para pedir o apoio da população e explicar aos pacientes que não estamos reivindicando apenas reajuste de salário, mas também condições adequadas de trabalho para atendê-los”, esclarece Cristiano da Matta Machado, presidente do Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG).

Em reunião com a diretoria do sindicato, o secretário de saúde, Gladstone Rodrigues da Cunha, solicitou que seja criada uma comissão para discutir as reivindicações da categoria e afirmou que as negociações estarão concluídas no prazo de um mês. A proposta foi aceita durante a assembléia e a primeira reunião foi confirmada pela Secretaria para a próxima quarta-feira, 1º de abril.

O principal pleito é a realização de concurso, argumentado pelo secretário como “algo impossível de acontecer neste momento porque o Município está no limite da Lei de Responsabilidade Fiscal”. Em contrapartida, ele sugeriu a celebração de um acordo coletivo de trabalho, aceita pelos profissionais, a fim de promover a uniformidade salarial e de condições adequadas para o exercício da profissão aos médicos efetivos e aos contratados pela Fundação Maçônica Manoel dos Santos e Missão Sal da Terra.

No documento, que ainda não foi respondido pela Secretaria de Saúde, a categoria reivindica, para efetivos e contratados, a definição da data-base; reajuste do salário mínimo profissional para R$ 8.239,24 - valor defendido pela Federação Nacional dos Médicos (Fenam); pagamento do adicional de insalubridade; criação do plano de cargos, carreira e vencimentos como forma de fixar os profissionais na rede; e reuniões bimestrais entre gestor e sindicato para acompanhamento do acordo.

Paralisação

De acordo com a deliberação dos médicos presentes à Assembléia Geral Extraordinária de 25 de março, das 7 horas do dia 30, segunda-feira, às 7 horas do dia 31, terça-feira, os atendimentos ambulatoriais ficarão suspensos. Os médicos das Unidades Básicas de Saúde e Programa Saúde da Família vão se organizar em equipes na entrada das UAIs para fazer a triagem dos pacientes e encaminhar para atendimento apenas os casos de urgência e emergência.

Durante a paralisação, os profissionais também vão distribuir panfletos à população para pedir apoio e explicar as razões do movimento reivindicatório.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Sinmed-MG – 27/03/2009