Caos em Minas Gerais leva Sinmed-MG a tomar providência e questionar mais um atraso de pagamento dos salários parcelados dos servidores do estado

03/07/2018



Numa atitude de desrespeito e insensibilidade com os servidores públicos, o governo Pimentel atrasa, mais uma vez, o pagamento da terceira parcela dos salários dos servidores e ainda informa à imprensa, por meio da Secretaria da Fazenda, na tarde deste 3 de julho, que não sabe quando irá pagar.

Indignado com a atuação da gestão, o Sinmed-MG está tomando as devidas providências e está solicitando oficialmente esclarecimentos “no que se refere ao atraso do pagamento das parcelas acordadas no escalonamento informado aos médicos servidores, em indisfarçável prejuízo a estes profissionais que, não obstante tal irregularidade, continuam a exercer suas atividades em prol dos usuários do serviço público de saúde”.

O sindicato destaca que essa é mais uma das dezenas de vezes que os questionamentos foram feitos à gestão e infelizmente ignoram o direito dos servidores públicos de receberem seus salários pelo serviço prestado ao estado. Além disso, o parcelamento que vem acontecendo desde o início de 2016 já nos causa indignação ao ferir os direitos desse grupo de trabalhadores.

Pimentel esquece que os profissionais, além de trabalharem em condições precárias, sem estrutura adequada e no caso dos médicos, com sobrecarga de trabalho, dependem de seus salários para sobrevivência e o custeio da família. Em contrapartida, na última semana de maio/2018, o governo publicou extrato de um contrato de quatro meses com a consultoria Ernst & Young, no valor de R$ 3,5 milhões, a título de apresentação de “diagnóstico da situação orçamentária e fiscal do estado”. O governo não quis dizer por que abriu mão do próprio corpo técnico da Secretaria de Planejamento, normalmente apto a atender a esse tipo de demanda."( Revista Época 01/06/2018)

Por que ao invés de gastar com diagnósticos, não escolhe pagar em dia os servidores, senhor Governador?! Escolha manter os hospitais funcionando adequando e quitar as dívidas com fornecedores de medicamentos! Atenda as reivindicações daqueles que trabalham na área de saúde e querem prestar uma assistência de qualidade à população mineira!

Somado aos gastos, a Associação Mineira de Municípios (AMM) contabilizou que já chegou a R$ 3,7 bilhões o valor que o estado deixou de repassar às cidades na área da Saúde. São R$ 4,7 bilhões no total, incluindo outros repasses. Fora isso, oito hospitais regionais que poderiam ajudar a amenizar a lotação estão com obras paradas. O governo diz que encontrou as estruturas inacabadas, cujos repasses estavam em atraso no governo anterior e que a continuidade das obras é prioritária. Mas onde? Não há nenhuma atitude por parte da gestão para cumprir suas promessas.

O Sinmed-MG entende que a Administração Pública tem o dever, e não a faculdade, de pagar pelos serviços recebidos conforme acordado, inclusive sem qualquer outra iniciativa do particular, sob pena de ofensa ao princípio da legalidade e de enriquecimento ilícito. E reitera que não é omisso e não compactua com medidas que desrespeitam os servidores e a população que sente os reflexos da má administração.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rosângela Costa - jornalista sênior - MTB 11320/MG