Mais um caso de agressão a médico em unidade de saúde pública de BH. Estatísticas só aumentam e gestores não apresentações soluções efetivas

11/05/2018



Já se tornou uma rotina triste do Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG) receber denúncias de agressões e violência contra os médicos da saúde pública de Belo Horizonte. Dessa vez, na quinta-feira, 10 de maio, uma médica, grávida de seis meses, foi agredida com socos, na UPA Centro-Sul.

A agressão deve-se à demora no atendimento; fato que tem sido rotineiro já que a demanda nas unidades de urgência é elevada e o número de profissionais não é suficiente para atender os pacientes. Atualmente, o tempo de espera em uma unidade de urgência da capital pode ultrapassar 5 horas.

O Sinmed-MG destaca que a ameaça à integridade física e psicológica dos médicos tem sido rotineira e enquanto entidade representativa desses profissionais não será omisso em continuar a luta contra esta onda de violência.

Incansavelmente, denunciamos os casos de agressões, assaltos e violência nas unidades de saúde da PBH e a gestão parece não se preocupar efetivamente com o aumento das estatísticas já que os casos registrados são de aproximadamente 350 ocorrências. Esse registro consta no “fluxo de abordagem dos episódios de violência nos serviços da SMSA de BH”; documento elaborado pela Mesa de Negociações do SUS (MESUS) de Belo Horizonte, com o objetivo de garantir orientações de condutas diante dos episódios de violência e registrar os casos ocorridos

A prefeitura divulga que está tomando medidas para qualificar a segurança nas unidades de saúde, mas a ação efetiva que é reivindicação da categoria médica e demais servidores e já apresentada em reuniões com a gestão é a necessidade urgente de implantação de câmeras de segurança e vigilância e a presença física permanente de agentes de segurança nas UPAs. Mas nada, até agora!!!!

Apesar das diversas mobilizações e denúncias, o sindicato lamenta que a Prefeitura não tenha ainda resolvido este problema e teme que, sem segurança adequada, o pior possa acontecer com os trabalhadores da saúde e a população.

Portanto, convocamos os médicos para a próxima assembleia da categoria, terça-feira, dia 15 de maio, para colocar em pauta este e outros problemas na saúde de BH que precisam ser solucionados.

 

 

 

 

Rosângela Costa - jornalista sênior - MTB 11320/MG